Portal da escrita

Início » Resenhas » Se eu ficar – Gayle Forman

Se eu ficar – Gayle Forman

Com um ar extremamente melodramático, Se eu ficar deixa claro desde seu início que tipo de história iremos acompanhar: uma família americana, aparentemente perfeita, sofre um grave acidente de carro que deixa a filha em coma, vagando entre a vida e a morte, podendo, de algum modo, escolher se fica no mundo dos vivos e vive a dor física e emocional que a aguarda ou se desiste de tudo e todos de uma vez.

O modo como a história é contada, no entanto, apresentada um problema narrativo: como já sabemos, desde muito cedo, que a personagem encontra-se em um coma, e que, pelos títulos dos capítulos, toda a obra se passa em um curto espaço de tempo, a narrativa torna-se repetitiva, ficando aos poucos parecendo que tudo que precede o final é enrolação para manter o mistério. A leitura, assim, torna-se enfadonha e muitas questões que poderiam ter sido melhor trabalhadas perdem seu papel.

A própria conclusão do que aconteceu com seu irmão, Teddy, demora tanto que a dor perde um pouco o impacto que teria, assim como a tragédia que Mia sofre e que faz com que ela não queira, em alguns momentos, voltar à vida acaba por se diluir de tal forma que quando sua decisão se materializa já perdemos ao menos parte do interesse inicial.

É uma obra que, pelo tema, parecia muito promissora, mas que se perde e não faz jus aos comentários apaixonados e vendas que gerou.

Maíra Protasio

Escritora e mestranda em Filosofia da arte, vive desde sempre entre livros e cadernos. Vem publicando desde 2014 resenhas sobre suas leituras em seu blog doquetenholido.wordpress.com

Anúncios

2 Comentários

  1. mairaprotasio disse:

    Eu acho um erro ter certos preconceitos literários com o que você não leu. Já li muitas obras tidas como ruins por certos tipos de críticos e que tinham, na verdade, muito de “aproveitável”. Não há nenhuma garantia sobre a qualidade ou não de uma obra previamente à leitura. Acho que devemos, sim, ler de tudo e ser capaz de criticar os que merecem ser criticados e elogiar os que merecem elogios.

    Curtir

  2. Aristides Dornas Júnior disse:

    Na minha modesta opinião de ex-estudante de Filosofia, acho que uma mestranda de Filosofia da Arte deveria escolher melhor as obras que comenta. O mercado tem de tudo, do bom ao pior, e nós devemos nos dedicar ao que há de aproveitável, para não perdermos nosso precioso tempo.

    Curtir

Deixe seu comentário!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: